Parto Casa de Parto David Capistrano Filho

Parto Natural Humanizado da Mallu

Madrugada de Quarta-feira, 18/10/2017, a Ju me manda mensagem às 3:51 , 4:36, 5:47... "Márcia acho que a bolsa rompeu/vou tentar descansar/contrações sem ritmo" .... não ela não dormiu mais!


Partiu casa de parto, sim ela queria um parto natural, humanizado, um parto respeitado, no tempo do seu corpo, no tempo da Mallu.


Ela ainda estava com 2 de dilatação, contrações sem ritmo, montamos um grupo, eu, ela, a mãe dela, o Magno - o papai babão. Eu sabia - acho que só eu sabia rsrs - que em algum momento a Ju poderia não estar mais consciente a ponto de não falar mais comigo...


As 14hs volto a chamá-las, pois estava sem notícia, a parte mais difícil pra mim...estar longe sem saber como as coisas estavam progredindo e sem querer perturbar toda hora! Elas estavam no shopping almoçando, contrações sem ritmo, iam voltar depois à Casa de Parto David Capistrano Filho - SMSDC-RJ, mais conhecida como "Casinha" pra novo exame...mais 3hs se passaram....tia Marcia precisava saber das coisas...Ju estava no chá de parto da casinha aguardando acabar pra ser examinada, nesse momento percebi que ela já não estava mais conectada a tecnologia, pois só sua mãe (queridaaaa demais gente) conversava comigo no grupo...imaginei que ela só seria reavaliada as 19hs na troca de plantão, tinha ido em um encontro lá na casinha a convite da Ju e aprendi muito sobre a rotina deles no dia do parto.


19hs, 4 de dilatação, não vai internar, mas vai ficar em observação um pouco....


21:26 uma noticia que me abalou: "MARCIA a Ju não está reagindo como idealizamos...está irritada, me quer pra saco de pancadas (rsrs). Não é justo deixar você nessa tensão e presa por mais tempo...não precisa vir!!!"


Confesso que meu mundo caiu, era a mãe da Ju me dando a notícia....quando entramos nesse mundo temos a clara consciência de tudo que podemos passar e pelo tempo "perdido" que não é perdido!! Eu já estava vivendo tanta coisa na expectativa da chegada da Mallu, já tínhamos conversado tanto, participado de rodas juntas, Ju me falou que eu estava no plano de parto dela!!


Não não posso deixar isso acontecer....preciso estar lá, ela não está "consciente " agora mas preciso eternizar tudo isso. Temos obrigação de sermos invisíveis, o mais discreta possível...sim é um momento muito íntimo!


As 22:30 resolvi não esperar pela próxima avaliação que seria as 23hs, me arrumei e iria dar de cara lá mesmo sem autorização do pai, da vó....sem saber se poderia ficar pois a Casinha só aceita 2 acompanhantes....ao entrar no carro recebo a mensagem , Marcia vemmmmmm que a Ju tá com 8 de dilatação!!!


Mete o pé moço! (Porque pode demorar... Mas pode ser relâmpago te né)


Assim que cheguei na casa de parto, o Magno falou "entra mas nem fala com ela", é parece que a Ju estava na partolandia rs. Não sei se ela me " enxergou" em algum momento mas de 23:10 as 1:23 ( hora que a Mallu nasceu) , eu estava lá, fotografei o que foi a maior experiência que eu já vivi na minha vida profissional até então.


Falo com lágrima nos olhos, porque há muito tempo tenho tentando fazer fotos de um parto humanizado, de tantos relatos lidos, vídeos assistidos, conhecimentos aprendidos , rodas de parto que já participei....eu tinha certeza que precisava viver essa experiência pra minha vida!


Em dado momento, a querida e anjo, Zuleide Aguiar, enfermeira obstetra da Casinha, avaliou e disse Ju não falta mais nada, vamos colocar essa menina pro fora! Agora é só com você!


Zuleide, pediu pra Juliana se tocar e sentir o que estava acontecendo, sim era a Mallu ali pertinho, quase chegando...."esse é o cabelinho dela, Juliana!"


Uma força deve vir de dentro da gente com essa percepção né gente?! Juliana olhou os dedos , brilhando , com uma espécie de óleo, era a lubrificação natural que tinha na cabecinha da Mallu....estava tão pertinho já!


"Vamos, você consegue!" Palavras de incentivo e apoio da Zuleide, da vovó e do papai.


"Você já chegou até aqui..falta pouco!"


E não deu outra gente, o que vi é profundo, forte, intenso, libertador.


É clichê mas pura verdade, mulheres sabem parir, bebês sabem nascer.


Perseverança, cansaço, dor, sim até existe, mas é a dor do amor, a dor que te transforma, que te faz sentir leoa, que te torna capaz de tudo nesse mundo... Isso tudo vi na frente dos meus olhos e da minha lente. Vi também a superação, a alegria nos olhos, da vó, incrédula no que via...sua filha pariu! Não ela não viveu isso na vida dela, mas viveu com a filha...com a neta....


Do pai, que ficou ao lado o tempo todo, que deu danette na boca da mamãe pra ela comer quando ela precisava de energia, que amparou sua filha saindo do ventre da mãe, sim ele só amparou, ninguém tocou na Juliana. Não precisava! O corpo dela sabia fazer tudo sozinho...


Da Juliana, guerreira do inicio ao fim, que não desistiu em nenhum momento, mas cansou em alguns...sim claro, muita energia em prol de um novo ser que estava chegando! Que segurou sua filha no primeiro instante de vida, abraçou, aqueceu... Não a Mallu não precisou ser levada pra aspirar, de incubadora, ou qualquer outro procedimento assim, ela tinha mãe , pai aquecendo, cuidando, amando, babando... Ahhh Mallu quase não chorou, nem na primeira hora em que eu ainda estava lá,  estava bem calminha passando pelo colinho de mãe, pai, vovó....mamou no primeiro instante também, lindamente enquanto Mamãe aguardava o nascimento da placenta, o cordão só foi cortado depois da saída da placenta e da foto que fizemos (a pedido da mamãe) de bebe e placenta ainda ligados (muito amor envolvido!).


Nesse meio tempo sai do quarto, aguardei um pouco do lado de fora, privacidade total, momento de curtição pra família, respeito a tudo....


A luta pode até ser grande, mas a vitória é certa!


Assim que Mallu nasceu e Ju se deitou na cama, sim a Ju pariu na banqueta , do jeito que se sentiu melhor,  Zuleide , a enfermeira obstetra, a sua frente,  papai ao lado, vovó em volta e eu toda torta tentando pegar a saída da Mallu e a carinha de felicidade de todos rsrs....mas voltando, ela se deitou olhou pra mim, esticou a mão e falou: " oi Márcia! Obrigada por ter vindo!" (Sim, estou chorando de novo e não sei quando isso vai passar rsrs)


Em imaginar que quase não fui...que quase não fotografei esse momento deles , momento pra Mallu ver quando crescer, entender sua história....sua chegada....


Depois disso conversamos um pouco "bastidores de um parto" rs, a partolândia da Ju, seus estresses durante o processo do TP, a negação (momentânea) da minha ida, a alegria por ter conseguido parir...minha hora de partir....Ju começando a cochilar, Mallu no colo da vovó, mais de 1h de nascida e ainda não tinha ido pesar, nem medir.....Falo baixinho, vou deixar vocês, se curtindo, deixar a Ju descansar....me despeço de todos e vou embora, as 3hs da madrugada feliz e com a sensação de dever cumprido!